sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Let’s go potty!

Há mais ou menos 1 ano planejamos o desfralde da Laura. Compramos o troninho e quando íamos começar, ela constipou. Tudo começou na viagem que fizemos para Minas para passar o natal de 2010 com a família. Depois disso a constipação virou um círculo vicioso, com seus piores momentos entre março e abril deste ano. Em maio já estava tudo bem, mas resolvemos adiar qualquer iniciativa de potty training para depois que o tratamento terminasse, o que aconteceu em setembro.

Neste meio tempo, claro, Laurinha que já é uma criança grande, cresceu mais ainda e as fraldas começaram a não dar conta do recado. Em um certo momento começamos a conviver com vazamentos à noite e ela já estava usando pampers noturna XXG ... foi para a pull ups XXG da Huggies que também só deu conta por um tempo e terminamos com a geriátrica pp (Bigfral juvenil). E começamos a ter vazamentos também de dia (com a pampers total comfort XXG)!

Já andava lendo sobre desfralde e resolvi usar como referência o “No Cry Potty Training Solution” . Com base nesta referência, em outubro começamos algumas ações: desde deixar a Laura me  acompanhar ao banheiro com mais frequência a ensiná-la a baixar a calça e tirar a própria fralda. Compramos alguns livros e um vídeo na Amazon que contam histórias de meninas fazendo a transição para o peniquinho. E o plano para novembro era apresentar esse material e começar um desfralde simulado com as bonecas. Do material, "The Potty Book and DVD Package for Girls" foi o que fez  o maior sucesso. 


E no mesmo dia em que começamos a simular a rotina de usar o peniquinho com as bonecas a Laurinha também quis participar. Depois de alguns dias de acidentes sucessivos (e nenhum sucesso...) começamos a duvidar que a Laurinha estivesse realmente entendendo o que era esperado dela. Foi então que usamos mais uma das sugestões do "No cry potty training solution" e introduzimos um reward chart (do livro "Potty Time Training Pack"). 

Cada vez que ela fazia xixi no penico, dávamos a ela um adesivo para colar no chart. O que compramos é metálico, para ser usado com ímãs. Vieram vários adesivos magnéticos e, quando acabaram, passamos a colar adesivos comuns em pedacinhos de papel magnético, improvisando nossos próprios adesivos magnéticos.

Potty chart: nos dois primeiros dias após o chart, quatro vezes ela fez xixi no potty

Apesar de eu não gostar da história da recompensa, funcionou como mágica: a Laurinha começou a usar o peniquinho prontamente e não parou mais.  Com uma resistência aqui e outra ali, mas progredindo bem.
Fomos seguindo as iniciativas dela e, quando nos demos conta, na terceira semana desde o início do desfralde, ela já estava indo sem fraldas para a escola e usando o banheiro lá.  Também contamos com todo apoio das professoras da Laura, principalmente Miss Nella.

Ainda há uma dificulade: o cocô. A Laura ainda está resistente em usar o peniquinho para fazer cocô, embora já tenha feito algumas vezes. Aí procuramos ir com todo cuidado, seguindo o ritmo dela especialmente neste caso, tendo em vista o histórico de constipação.  

Agora achamos que é questão de dar tempo ao tempo até que a Laurinha se sinta confortável de usar o peniquinho sempre. Depois ainda vem a transição para o vaso... banheiros públicos...

Sabemos que ainda vamos conviver com acidentes, talvez alguns passinhos para trás, mas, de todo modo, tivemos muitos progressos num espaço curto de tempo e, até agora, tudo correu melhor que o esperado. Estamos orgulhosos da nossa mocinha!


Nossa mocinha fantasiada de Stephanie (Lazy Town)

sábado, 12 de novembro de 2011

Super Why

A Laura tem estado viciada em um desenho animado chamado SuperWhy. Trata-se de uma animação exibida no canal PBS Kids e patrocinada pelo ministério da educação dos EUA. O objetivo é ensinar alguns fundamentos de leitura da língua inglesa para crianças de 3 a 6 anos. O programa é exibido também no Discovery Kids Brasil.


SuperWhy and the Super Readers


Quando assistiu pela primeira vez, a Laura ficou encantada! Baixei então diversos episódios e durante um bom tempo ela só queria assistir ao SuperWhy! Mas é mesmo muito divertido e, ao mesmo tempo, muito educativo. Eles introduzem um problema a ser resolvido e depois entram em um livro de um conto de fadas específico onde irão mudar a história e procurar a resposta para aquele problema. Durante a aventura,  trabalham com letras, sílabas, mudando o sentido de frases ao trocar palavras, etc. É muito interativo e eles perguntam o tempo todo as respostas para as crianças. A Laura fica quase que num diálogo com o desenho, respondendo as perguntas que consegue.

Quando perguntam os sons das letras ela sempre acerta quando fala (às vezes ela não fala nada, só fica assistindo). Por exemplo, lembro de um episódio em que o Alpha Pig perguntou que vegetal começa com C e mostrou alguns, sem falar o nome. Ela rapidamente disse "corn!". Quando aparecem as superletters (letras que ajudarão a formar a palavra ou frase que é a solução do problema) ela sempre fala seus nomes. Quando a Princess Pea faz um som (ex: /d/, /g/) e pergunta ao expectador, a Laura acerta quase sempre! Quando o SuperWhy substitui as palavras para mudar o sentido da estória, ela fica olhando atentamente, como que tentando entender o que está rolando.
"Super Why" brincando no playgroud :-)
Há também algumas apps do SuperWhy para o iPod que a Laura ama! São três que achamos até agora:
  • Super Why, que segue a mesma linha do desenho animado, mas em que a criança deve responder as perguntas escolhendo com o dedo. A Laura gosta muito.
  • Super Why Paint, com vários desenhos do Super Why para a criança pintar ta tela do iPod. A Laura adora e fica pintando todos os desenhos com uma única cor, como de costume :-)
  • Super Why Alpha Boost, joguinho em que é preciso colher as letras que vão caindo. Ainda é meio difícil para ela.

Voltando a falar dos episódios, outro dia a Junia estava imitando um gatinho para a Lolly, pois estávamos assistindo a um episódio em que a Princess Pea ganhou um "brand new kitty" (novo gatinho). O engraçado foi que a Laura achou que isso era o nome do gato e ficava falando pra Junia "come here, bare kitty" ao invés de "brand new kitty". E quando a Junia ficou roçando nela, como fazem os gatinhos, a Lolly disse pra mim: "look, daddy, he loves me!"  :-)


Outra coisa engraçada é que ela diz ser o SuperWhy! Não está nem aí que ele seja menino :-) O negócio dela é ser o personagem principal dos desenhos. E ainda diz que a mamãe é a Red Riding Hood (chepeuzinho vermelho patinadora) e o papai é o Alpha Pig (porquinho que domina o alfabeto). E sua bonequinha, que é um bebezinho, a Laura diz que é a Princess Pea, com sua varinha de condão! A gente se diverte muito!

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Brincando de Casa da Vovó

A Laurinha gosta muito de uma cabaninha. Adora se enfiar debaixo das cobertas, dizendo "let's make a cave?". Daí invariavelmente finge ser um bebezinho ou um urso dentro da caverna :-)

Como sei desse seu gosto, decidi virar o pula-pula dela de cabeça pra baixo, formando uma casinha. Na verdade já tinha alguns dias que ele estava inflado na sala, mas com o tempo ela vai enjoando. O que costumamos fazer é esvaziar e guardar. Depois de algumas semanas, inflamos de novo e ela faz a festa. Dessa vez decidi apenas virá-lo de cabeça pra baixo pra ver a reação dela.

Pula-pula de cabeça pra baixo virou cabaninha

Obviamente ela adorou! Colocamos sua mesinha com as cadeirinhas dentro da casinha e também brinquedos e almofadas. Ela achou o máximo. Depois veio dizendo que era a casa da vovó! Disse que deveríamos sentar no sofá, pois ele era um avião que nos levaria até a casa da vovó. Então fizemos toda a encenação, entrando no avião, apertando o cinto (ela faz questão dos detalhes!), decolando e pousando. Ao chegar, tocamos a campainha e a vovó (a Laura) nos mandou entrar. Fizemos isso várias vezes e ela curtiu bastante.

Vovó Laura recebendo as visitas :-)

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Bilingues :)))

Eu e o Douglas compartilhamos uma fascinação: aprender idiomas. Certamente isto influenciou nossa escolha pelo bilinguismo.

Temos uma história muito parecida: por limitações financeiras, nunca tivemos oportunidade de ter educação formal em outro idioma. Até o ensino médio, tivemos uma formação autodidata em inglês (e também alemão, no caso do Douglas) a partir de material doado, de biblioteca ou comprado em banca de revista. A opção por nos graduar em Computação intensificou a necessidade de dominar o inglês, pois praticamente toda a literatura que usamos na graduação, mestrado e
profissionalmente eram/são em inglês.

Depois de casados, resolvemos estudar outros idiomas, desta vez em cursos formais. Estudamos francês e italiano por dois anos.

Além deste gosto por idiomas, a idéia de viver em ambiente multilingue, como em países europeus, sempre nos encantou. Acabou sendo um caminho natural pensarmos em bilinguismo quando decidirmos ter um filho. E mesmo sem educação formal, inglês foi a nossa opção por ser o idioma que dominamos melhor.

Ao estudarmos sobre biliguismo vimos que não precisaríamos ter um inglês perfeito ou sermos nativos para proporcionar uma experiência bilingue para nossa filha. Na verdade, oferecer uma educação bilingue está ao alcance até mesmo de famílias monolingues. Recomendamos os livros que citamos aqui, para quem quiser saber mais. A abordagem de educação bilingue que escolhemos é o minority language at home. Assim, em casa só nos comunicamos em inglês entre nós e com a Laura. Fora de casa, falamos português. E oferecemos a ela todo tipo de material em inglês: vídeos, apps, jogos, livros, músicas, o que é reforçado pela escola.  Claro, ela também tem acesso ao mesmo tipo de material em português :)

Hoje, após quase 3 anos de experiência, estamos muito felizes com os resultados. Com um esforço que consideramos baixíssimo (falar inglês em casa), temos uma menininha que se expressa fluentemente em inglês e português, com um vocabulário até acima da média para sua idade.

Usamos este teste para avaliar o vocabulário atual da família e chegamos ao seguinte resultado:

Eu 9430 palavras
Douglas 12500 palavras
Laura 2560 palavras

Teste de vocabulário de inglês da Laurinha



Segundo as estatísticas usadas neste teste, o tamanho do vocabulário de um nativo na lingua inglesa varia entre 20 e 30 mil palavras. Para quem está aprendendo, o tamanho do vocabulário varia entre 2500 e 9 mil palavras.

Segundo o Child Development Tracker, o vocabulário para uma criança de 2,5 anos, é, em média, de 800 a 900 palavras. O de uma criança de 3 anos é de 1000 palavras ou mais, chegando a 3000 até completar 4 anos. Ou seja, a Laura já tem um vocabulário típico de uma criança de mais de 3 anos.

E dá pra notar isso na sua comunicação. Ela já forma frases bem completas, embora ainda simples. Alguns exemplos do que ela tem falado em casa:

- I want to watch Youtube!
I want to sit in Daddy's chair with Daddy!
I want to see the letters! (querendo assistir a clipes com o ABC do Youtube)
I want to go to Bibi's house! (quando cismou que queria ir à casa da coleguinha sem ser convidada)
Let's make a cave? (querendo fazer uma cabaninha com as cobertas)
Lolly can't go into the jumpo! Lolly has poo poo! (deixando sua vontade de subir no pula-pula de lado porque tinha cocô na fralda)
Daddy, would you please give me that pencil? (querendo o lápis que o papai estava utilizando)
Daddy, please bring me my purple towel! (ao pedir para sair da banheira)
I didn't finish this book! I want to keep it! (com o livrinho Galope, imitando o Austin no episódio Masked Retriever, que não quer devolver o livro da biblioteca)
The sticker is in the living room, Daddy told me! (chorando e falando comigo, porque o papai não queria deixar que ela colasse um adesivo no rosto por medo de irritar sua pele)
- No, I'm not dancing! I'm just swimming! (ao perguntarmos se ela estava dançando, pois fazia uns movimentos engraçados com os braços)
- No, mommy, I don't want to take a bath! I want to have nummies first! (dizendo que queria mamar antes de tomar banho).

Dá pra notar bem que a maioria são "eu quero" ou imperativos. Ela tem uma personalidade bem assertiva mesmo :-)

O que esperamos? Bem, hoje inglês é uma necessidade e poder proporcionar que a Laurinha domine o idioma sem nenhum esforço é um privilégio. Mas a educação bilingue é mais do que falar outro idioma. É viver uma experiência bastante rica, que abre horizontes para outras culturas e valores, além de contribuir para o desenvolvimento do cérebro. De quebra, aprimoramos o nosso próprio inglês e conhecimento da cultura inglesa.

Definitivamente, hoje somos entusiastas do biliguismo. É uma herança preciosa que nos orgulhamos de oferecer à nossa filha.

Nossa gatinha bilingue

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Have a creepy Halloween!

A Lolly teve festinha de Halloween na escola e foi fantasiada de bruxinha. Estava toda empolgada, dizendo a todo momento "I'm the scary witch!". O engraçado foi que, ao chegarmos na escola, quase todas as professoras estavam fantasiadas de bruxa também!

Bruxinha linda fazendo pose!

Esta foi a primeira vez que ela foi fantasiada para a escola e que não quis retirar a fantasia imediatamente! Na verdade, estava mesmo se divertindo! Tanto que, quando fui buscá-la na escola, ela ainda estava vestida com a fantasia direitinho. Entrou no carro dizendo que brincaram de "trick or treat" e que tinha comido doces. E ainda cantou a musiquinha que aprendeu lá: "Trick or treat, smell my feet, give me something good to eat! If you don't, I don't care! I'll pull down your underwear!" Que graça!

Bruxinha indo pra escola
Uma coisa legal da Maple Bear é que lá eles comemoram datas tanto canadenses quanto brasileiras. Teve dia das bruxas, mas também teve festa junina e semana da independência do Brasil, por exemplo.

Para finalizar, um filminho bem engraçado de dia das bruxas com a Lolly, que fiz no JibJab:


Laurinha tocando o terror!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Lolly in the box...

Hoje chegou a nova cadeirinha de alimentação da Laura, daquelas que são um assento a ser preso em uma cadeira comum, aumentando a altura da criança.



Nova cadeirinha da Lolly




Como sempre, ela ficou super interessada na caixa em que a cadeira veio embalada. Brincamos de basquete, jogando a bola para cair dentro da caixa. 


A caixa: mais legal que o conteúdo!

Depois brincamos de "jack in the box", em que ela entrava na caixa, fechava a tampa e depois pulava nos dando um susto :-) Tem até uma musiquinha que ela canta na escola e nos ensinou: "jack in the box, he's so still, will you come out? Yes I will!" E fazia a maior farra ao sair da caixa!

Brincando na sala
Depois eu fiz uns buracos pros olhos e braços da Lolly, pra ela "vestir" a caixa e ficar igual ao robô do livrinho "Birthday Box", que ela adora. Nessa de entrar e sair da caixa a toda hora, eu expliquei pra ela que não podia se apoiar na lateral, pois a caixa podia revirar e ela cairia no chão. Cheguei até a demonstrar. Não deu outra: alguns minutos depois ela sentou na beirada, revirou e bateu a cabeça na parede. Chorou bastante, mas foi mais pelo susto.  Bem, espero que tenha valido o aprendizado!

domingo, 18 de setembro de 2011

Subindo e descendo

A Laura está muito habilidosa fisicamente. Hoje fomos ao Parque da Cidade, no parquinho do castelo, e ela subiu sozinha nos escorregadores super altos que há lá. E mais, escorregou sozinha de todos! Mesmo aqueles mais verticais, em que até eu não me sinto à vontade de descer. Ficou um pouco receosa no incício, mas depois de descer a primeira vez não parou mais. 



Brincando após escorregar bastante

Aproveitamos para colocá-la numa árvore pra tirar umas fotos.


Na árvore com a mamãe

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Now I know my ABC’s



Não me lembro quando o Youtube entrou em nossas vidas como opção de lazer para a Laurinha, mas foi certamente antes que ela completasse um ano. Acredito que tenha sido esta também a sua porta de entrada para sua “febre” atual: ABC’s. Digo atual porque ela também já teve algo parecido com cores, formas e números.


Ela sempre gostou, como descrevemos em posts passados (neste e neste também) , de ver vídeos cujo tema fosse o alfabeto. De lá para cá, a lista de músicas e jogos com este motivo só aumentou. Não tomamos muito a iniciativa não, só seguimos seu interesse. Quando ela vê algo que tenha ABC no Youtube por exemplo, ela é capaz de seguir por muito tempo as sugestões do prórpio Youtube e continua assistindo outros vídeos com o mesmo tema. Hoje ela canta a música do ABC completa em inglês e português, além de algumas variações. Algumas das quais ela mesma cria!

Outro estímulo para ela é o fato de estar cercada de livros desde que nasceu. São como brinquedos especiais para ela. Quase diariamente ela nos chama para sentar com ela e "ler" alguns livros. Na verdade, ela é quem guia as leituras, escolhendo os livros e passando as páginas enquanto comenta cada uma, toda animada! Depois que terminamos, com vários livros espalhados pelo chão, dizemos a ela que é "pick up time" ou "clean up time" e ela os coloca de volta nos devidos lugares, com nossa ajuda.


Pouco depois que completou dois anos, lembro-me de um episódio em que ela disse algumas letras de uma embalagem de shampoo que tinha ganhado de presente de aniversário. Achei bonitinho, mas fiquei desconfiada da sua capacidade de soletrar.  Pouco tempo depois, demos um teclado velho só para ela brincar, achando que ela ia só batucar nas teclas já que adora apertar botões. Mas foi onde percebemos que já reconhecia mesmo algumas letras. 


De uns dois meses ou mais para cá, a Laura não pode ver uma palavra: seja minha camiseta, etiqueta de um brinquedo, letreiro de um prédio, que sai soletrando. Isso incluíndo o reconhecimento de maiúsculas e minúsculas. Além disso, já sabe que um conjunto de letras forma uma palavra, embora não saiba, claro, que palavra está soletrando. Ela também já sabe que cada letra representa um determinado som.


Chegamos até a achar que ela poderia estar aprendendo algo na escola, mas esta habilidade foi justamente uma das coisas que a sua professora comentou com admiração, em nossa última reunião de pais, demonstrando que não é o objetivo da escola neste momento.


Segundo o Child Development  tracker este tipo de reconhecimento do alfabeto (saber maiúsculas e minúsculas, saber que as letras representam sons, e que um conjunto de letras representam palavras) são habilidades esperadas entre 5 e 6 anos ?! Aqui acho que há um exagero, já que sabemos que o alfabeto já é ensinado em escolas já para crianças entre 3 e 4 anos. Mesmo assim, também estamos admirados com a nossa pequena “leitora”.

Brincando com joguinhos de letras no iPod ao voltar da escola


Além de sua preferência natural, atribuímos o desenvolvimento dessa hablidade ao fato de darmos apoio aos seus interesses, fornecendo material e interagindo, sempre, claro, respeitando sua vontade e ritmo. Assim, acho que acabamos criando condições para que ela alcance seu potencial. Pode até ser que isso seja indício de algum talento especial, mas isso só o tempo dirá.



quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Vivendo, lendo e aprendendo

De vez em quando a Laurinha pede que a balancemos usando uma manta. Funciona assim: ela deita no meio e eu e o Douglas seguramos as extremidades. Ela adora!

Laurinha: 0, 6, 12, 18, 24 e 30 meses


Dias atrás, eis que estávamos as duas sozinhas e ela me pediu “Let’s swing in the cloth?”(Vamos balançar no pano?). Eu disse que não era possível, pois precisávamos de duas pessoas para segurar as extremidades. Ela não entendeu e continuou insistindo. Então eu peguei um de seus bonecos e pedi que ela segurasse uma extremidade da manta e então o balançamos. Adivinha o que ela falou depois da experiência: “Now Lolly!”! (Agora a Lolly!). Então eu perguntei: “Who’s gonna hold the other end?” (Quem vai segurar a outra ponta?) e ela: “Lolly!”. Não é uma graça?


Este é só um exemplo de como as crianças nesta faixa etária falham em fazer as conexões lógicas mais simples, as que consideramos totalmente óbvias. Por quê? Simplesmente porque ainda não atingiram maturidade intelectual para isso! Todo mundo acha casos como estes bonitinhos e compreende este tipo de limitação. 


Mas e quando a criança dá uma birra daquelas em público e nos torna alvo de todas as atenções? Não só não tem graça,  como às vezes reagimos de forma quase tão imatura quanto a criança, dando a nossa própria “birra”. Mas neste caso a criança também está se comportando assim por uma limitação: ela não é capaz de expressar sua frustração de forma aceitável... 


Crianças menores de 3 anos raramente se comportam mal.  3 anos é considerada a “idade da razão” (quando a criança começa a desenvolver o raciocínio lógico). Crianças nesta faixa etária simplesmente têm o comportamento inadequado em várias ocasiões (como nas situações acima), porque ainda não alcançaram maturidade intelectual, emocional, motora, etc. para ter determinadas habilidades que lhes permitiriam agir de outra forma. Elas também não tem a experiência no convívio familiar e social que lhes dariam condições de saber e entender qual é o comportamento socialmente aceitável. Além disso, elas tem, instintivamente uma curiosidade e vontade de experimentar que muitas vezes supera suas habilidades para fazer o que pretendem.

Esta é uma das coisas que aprendi nas minhas leituras: entender o que é esperado para cada faixa etária, que habilidades a criança já  tem ou o que possivelmente ainda lhe faltam, faz muita diferença na forma como você lida com cada situação. Neste aprendizado até o momento, ainda destaco algumas coisas que tem funcionado para nós:


Disciplinar nada tem a ver com punir. Tem haver com ensinar habilidades para que a criança desenvolva autocontrole, capacidade de cooperar e responsabilidade. Quando você pune uma criança você está oferecendo a ela uma oportunidade de se sentir má, injustiçada ou inadequada, mas não está ensinando nada a respeito do que ela deveria fazer para não cometer o mesmo erro no futuro. 


Cada criança nasce com um temperamento próprio e entendê-lo e aceitá-lo é importantíssimo para um relacionamento equilibrado e feliz com seu filho. Alguns temperamentos são mais fáceis de lidar, outros mais difíceis. Nosso papel é respeitar os limites e canalizar as vantagens e desvantagens de cada um da melhor maneira. Para uma leitura rápida sobre o assunto, recomendo o artigo The Origin of Personality



Ser firme não é ser autoritário, ou agressivo. Ser firme significa definir regras, informá-las ao seu filho e/ou definí-las em conjunto com ele e seguí-las. É ser consistente. Assim você está sendo respeitoso com o seu filho e também ensinando respeito. Naturalmente, nenhuma regra precisa ser seguida a qualquer custo. Ás vezes a situação pede alguma flexibilidade. E saber ceder ou negociar no momento certo, também ensina a criança a desenvolver estas habilidades por meio do seu exemplo.


Estudar faz diferença. Ler sobre educação infantil, sobre o que é esperado de acordo com o temperamento, a faixa etária... Não significa que com informação você vai passar a dominar todas as situações ou fazer tudo certo, mas a informação ajuda muito a direcionar melhor nossos esforços.  Também ajuda analisar os erros, aprender com eles e tomar decisões melhores no futuro. Estudar também facilita escolher um estilo de criação.  Fica mais fácil ser coerente e consistente na sua forma de agir e se relacionar com a criança quando você elege os princípios coesos que direcionam suas atitudes. Por outro lado, seguir uma literatura sem senso crítico e sensibilidade sobre o que é adequado para a sua família também não tem muito sentido, temos que buscar um equilíbrio entre intuição e conhecimento.


Respeitar o ritmo da criança. Cada criança alcança os marcos de desenvolvimento num ritmo próprio. É bom ter referências sobre o tempo esperado para cada marco, para estar atento a oportunidades de aprendizado ou possíveis problemas. Fora isso, comparar com outras crianças normalmente leva a uma visão distorcida da realidade para mais (achar que a criança está muito adiantada) ou para menos (achar que a criança está com algum atraso). Usar a comparação para inspirar a seu filho a se comportar bem então... provavelmente só vai reforçar nele o sentimento de que ele não atende suas expectativas. 


Não tomar decisões no calor da situação. No momento da raiva, perdemos a capacidade de raciocinar, é científico. Como é que esperamos tomar alguma atitude sensata em um momento destes? Assim, a primeira coisa a fazer num momento de crise é dar um tempo para a criança se acalmar e para que você mesmo se acalme. Depois, fica mais fácil discutir juntos o que aconteceu e buscar soluções. Mais uma vez você também estará sendo modelo para seu filho uma forma equilibrada de lidar com conflitos.


Bem, como tenho poucas oportunidades de postar, acabo querendo escrever tudo de uma vez só... e resumidamente.Talvez o post tenha ficado grande e um pouco vago. Para ajudar a clarear, fica a indicação de livros que já li. Acreditem: li todos enquanto esperava em filas, consultórios médicos, durante o lanche e ou por poucos minutos antes de dormir. A maioria em formato eletrônico usando Kindle, iPhone ou Netbook.

  1. Positive Discipline by Jane Nelsen (May 30, 2006) (Este tem tradução para o português - Disciplina Positiva)
  2. Positive Discipline: The First Three Years: From Infant to Toddler -Laying the Foundation for Raising a Capable, Confident Child (Positive Discipline Library) [ by Jane Nelsen Ed.D., Cheryl Erwin and Roslyn Ann Duffy];
  3. Positive Discipline for Preschoolers: For Their Early Years--Raising Children Who are Responsible, Respectful, and Resourceful (Positive Discipline Library) by Jane Nelsen Ed.D., Cheryl Erwin and Roslyn Ann Duffy (Mar 27, 2007)
  4. Positive Discipline A-Z, Revised and Expanded 2nd Edition: From Toddlers to Teens, 1001 Solutions to Everyday Parenting Problems by Jane Nelsen Ed.D., Lynn Lott, H. Stephen Glenn;
  5. The Discipline Book: Everything You Need to Know to Have a Better-Behaved Child-From Birth to Age Ten.by William Sears,MD and Martha Sears, RN; Volume 1;
  6. The No-Cry Discipline Solution: Gentle Ways to Encourage Good Behavior Without Whining, Tantrums, and Tears. by Elizabeth Pantley.
  7. The No-Cry Sleep Solution: Gentle Ways to Help Your Baby Sleep Through the Night - Elizabeth Pantley
  8. Nighttime Parenting: How to Get Your Baby and Child to Sleep -William Sears (Nov 1, 1999)
  9. Mindset: The New Psychology of Success - by Carol Dweck

sábado, 27 de agosto de 2011

Tentativa de ir ao cinema pela primeira vez

Tentamos ir ao Fici (Festival Internacional de Cinema Infantil) com a Laura no cinemark do Píer, mas acabamos só tomando frozen yougurt. Os filmes não pareciam bons e os horários não ajudaram.


A Laura adora o Píer e corre pra lá e pra cá o tempo todo. Sentamos na praça de alimentação pra tomar o sorvete e ela fez um malabarismo que fez com que sua cadeira caísse pra trás! Chorou bastante, mas não se machucou. A cadeira virou para trás e o encosto foi ao chão. O bumbum dela foi pro encosto e ela caiu sentada, quase batendo o queixo no assento. 


Depois se consolou e quis subir as escadas de metal que levam ao boliche. Subiu e desceu conosco várias vezes. Depois subiu num palco armado e ficou correndo em círculos, dançando e cantando. Cada hora vinha uma criança e ela tentava fazer amizade. Deu trabalho na hora de ir embora, pois não queria. Saímos depois das 18:30 e com ela quase arrastada!





Laura com a mamãe

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Visita da prima Gaby

A Gaby, prima da Laurinha, veio nos visitar com minha irmã Bia. Gaby tem nove anos e é uma mocinha cheia de energia. A Laura adorou a visita.

Chegaram no dia 26 de julho, pela manhã, fomos ao aeroporto buscá-las levando a Laurinha. O vôo chegou no horário, mas demoraram mais de meia hora pra conseguir pegar as bagagens. A Laura já estava ficando entediada de esperar, como de costume. Quando finalmente chegaram, aproveitamos para tirar uma foto:

Tia Bia, prima Gaby, Lolly e Mamãe
Tive que levar a Gaby e a Bia para conhecer a cidade sem a Lolly, pois ela se cansa muio facilmente e não aguentaria o batido. Fomos na Torre de TV, no Congresso, no Lago, etc.


Também fomos ao Parque da Cidade, no playground do Ana Lídia. A Gaby, que nunca tinha vindo ao parque, esbaldou-se. A Laurinha ficava tentando seguir a Gaby em tudo, da mesma forma quando há outras crianças maiores por perto. E até estava se saindo muito bem. A Gaby rapidamente fez amizade com outra menina e ficavam brincando juntas nos brinquedos. Não faltou uma queda da Gaby do balanço, porque foi fazer acrobacias no brinquedo. E ainda levou com o balanço na cabeça! Ainda bem que não se machucou! Depois de muita brincadeira e fotos fomos embora e a Laura pediu pirulito. Comprei pra ela e pra Gaby.


Lolly e Gaby no Parque da Cidade

Também foram com a Laurinha à natação. Mas as aulas têm sido sempre as mesmas: iniciam bem, com ela super animada, mas depois a Laura começa a não querer fazer as atividades. Não sabemos se é falta de confiança na professora, algum receio ou simplesmente a personalidade dela, que sempre quer colocar seu ponto de vista em tudo (e a maneira mais rápida de demonstrá-lo é falando NÃO).

Laura na natação


Em casa elas também brincaram bastante, pois brinquedo é o que não falta aqui, principalmente os educativos. E o iPod da Laura era super disputado pela Gaby, que nunca tinha  usado. Ela ficava tentando ajudar a Laurinha a utilizar, mas esta não queria (e nem precisava) de ajuda e protestava.



Laura e Gaby dançando


Bia e Gaby ficaram 4 dias conosco e a experiência fez muito bem à Laurinha, pois pôde conviver uns dias com uma criança mais velha. A Gaby gostou tanto que até ficou brincando que não queria voltar para Belo Horizonte! Elas partiram no dia 27 de julho, quando fui levá-las ao aeroporto.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Viagem a Porto de Galinhas - Quinto dia e volta pra casa



Amanheceu chovendo novamente, mas lá pelas oito abriu o sol. Mas foi outro daqueles dias com nuvens a toda hora e muito vento. Entrar na piscina foi uma tortura, mas depois do café, lá pelas 10:30 foi o que tivemos que fazer. Na verdade a Junia, pois eu prefiro evitar :) E o vento frio fazia ficar ainda pior.

Lolly e mamãe na piscina com vento frrrrriiiiiio!

Cerca de uma hora depois começou a chover e tivemos que sair da piscina. Como já era quase meio dia, fomos pro quarto pra a Laurinha dormir.

Enquanto dormia, a Junia aproveitou para começar a fazer as malas, pois partiríamos no dia seguinte.

Depois que acordou e almoçou no quarto, na hora de trocar de roupa pra sairmos de novo, Laurinha descobriu um joguinho no iPod que adorou: O Shape Builder. Ficava super concentrada jogando, montando os jigsaws. Foi difícil fazê-la desistir e sair do quarto. Na verdade, ela anda meio viciada nesses quebra-cabeças. Depois vou escrever um post especificamente sobre isso.

Como era o último dia, decidimos deixá-la escolher o que queria fazer à tarde. Quis ir pra piscina, obviamente! O problema é que estava ventando muito e a água da piscina estava fria. A coitada da Junia teve que entrar com ela. Tentou persuadi-la a entrar sozinha, mas ela ficava apontando pra piscina e dizendo: get in, mommy! e quando era sua vez, ela mesma nao tinha coragem de entrar: molhava parte do corpo e já tentava sair, morrendo de rir, por causa do frio.

No início da noite, deixamos que ela escolhesse o passeio. Fomos novamente pro espaço "zen", que ela curtiu bastante, pois há várias coisas pra se ver e tocar. Dessa vez percebemos um enfeite, aparentemente feito com coco, que lembra um rato.

Brincando com o ratinho de coco

No jantar, ela comeu duas das coisas que mais gosta: massa e gelatina.

Comendo "purple jelly", como ela diz

Terminamos de fazer as malas depois que a Laura dormiu. E no dia seguinte fomos tomar café mais cedo, pois pouco depois das oito viria o carro para nos levar para o aeroporto. Explicamos para a Laurinha que iríamos voltar pra casa. Falamos pra ela que iríamos embora pra casa, mas não dava pra saber se caiu a fixa.

Última foto do bangalô

Após o café, ligamos pra recepção para virem buscar as malas e saímos levando o carrinho de bebê com a Laurinha, pra fazer o check-out.

Na recepção durante o check-ou

Saímos do hotel no horário combinado. A estrada para Recife é muito esburacada e o carro acabou furando o pneu após uns 40 minutos da viagem de cerca de uma hora. O motorista estava falando ao celular na hora e não deve ter visto o buraco. Fiquei bastante irritado com a situação de nos colocar em risco. Além disso, ele ia trocar no acostamento, logo após uma curva, o que achei completamente absurdo e arriscado. Eu pedi que ele fosse mais à frente e entrasse em um recuo na entrada de uma empresa. A troca foi rápida, uns 10 minutos no máximo, e seguimos.

No aeroporto, após o check-in, ainda passamos em umas lojas pra comprar umas lembrancinhas. Felizmente o voo estava no horário e saímos no prazo previsto.

Entrando no avião

Uma coisa interessante nessa viagem foi que a Laurinha se comportou muito bem no avião, tanto na ida quanto na volta. Chegou mesmo a gostar de estar em uma aeronave, olhando pela janela e comentando das nuvens. Nem se compara com as outras vezes, em que ela ficava super nervosa por estar presa ali.

Chegamos em casa pouco antes das 16h e a Laurinha ficou super feliz de estar de volta. Parecia estar com saudades de casa.

Feliz por estar em casa

De maneira geral, gostamos da viagem. Porém, esperávamos mais do hotel, por ser bastante caro e ter avaliações muito positivas na internet. Realmente é tranquilo e oferece um ambiente para descanso, que é o que queríamos. Porém, o serviço foi meio fraco. As opções do cardápio infantil são ridículas. As do cardápio normal também não são muito variadas. O restaurante só abre para o jantar às 7:30 da noite, o que pode ser um problema para quem tem crianças. A praia tem pedras demais e pode ser até perigoso caminhar por ela.

Outro fator negativo foi o frio nessa época do ano. Não esperávamos que fosse prejudicar tanto. Mas houve alguns dias em que o vento realmente estava bem frio e complicou a entrada na piscina e no mar. Considerando o fato de que a Laura adora água e o frio não a detém, passamos momentos bastante desconfortáveis por causa do vento frio.

Os pontos positivos são que o local é aconchegante, os funcionários são educados e a comida é bem saborosa no geral. O clube infantil tem uma estrutura muito boa e tem baby sitter. Os bangalôs são espaçosos e oferecem um clima de romantismo para quem vai a dois. Mas para quem vai a três ou mais, chega a ser escuro demais por dentro. E para quem não curte muito os insetos, como a Junia, praticamente não vimos nenhum dentro do bangalô. Mas também utilizamos aqueles inseticidas líquidos de ligar na tomada 24h por dia.



domingo, 24 de julho de 2011

Viagem a Porto de Galinhas - Quarto dia


No quarto dia amanheceu chovendo. Fomos tomar café pouco antes das nove. A Laurinha só queria saber de comer o tal "cereal ball". Ontem ela tinha comido omelete, mas hoje não quis. Tomou um pouco de leite e comeu peito de peru. Também tomou Danoninho. A Junia levou alguns pro quarto, pra ela lanchar mais tarde.

No quarto se preparando para sair pro café

Voltamos pro quarto pra buscar as coisas. Resolvemos pegar o carrinho de neném e fomos ao Kids Club. Ela ficou tão animada com o carrinho que já quis sair do quarto sentada nele. E aí a roda prendeu no vão entre os degraus e foi uma confusão pra soltar!

Fomos primeiro ao playground rústico e dessa vez até nós fomos nos brinquedos com ela: cavalinho e balanço. O escorregador era de madeira também e a tinta estava descascando. Como ela estava de jeans não tinha problema. Mas a calça acabou manchando.

Escorregando no parquinho rústico

Depois chegamos ao clube e ela brincou muito no plyground e com os brinquedos. Quando foi entrar na casinha de bonecas já havia duas meninas lá e uma delas rapidamente segurou a porta e gritou "não pode!" A Junia então disse delicadamente que podia sim, pois todos podiam brincar juntos ali. As duas ficaram emburradas. Mas a Laurinha continuou tentando fazer amizade com elas.

Fazendo amizade

Aliás a Laurinha foi bastante amigável com as outras crianças. Nesse dia mesmo, mais tarde, na piscina, havia um garotinho com seu pai na parte rasinha. A Laura estava andando agachada, cantando e rindo, quando chegou perto deles e soltou on seu "hello guys!" O moço achou engraçado.

Um pouco depois havia um casal de crianças portuguesas também no rasinho, brincando de nadar, e ela novamente disse "hello, guys!" mas eles não estavam prestando atenção.

O problema é que ela tem picos de humor também. Quando acabamos de chegar em algum lugar, como no clube ou no restaurante, ela fica toda animada, cantando, dançando e rindo. Meia hora depois ela começa a pedir "nummies" e aí lhe relembramos que só no quarto. Ela esquece por alguns minutos e depois pede de novo. Quando estamos no restaurante, normalmente ainda nem deu tempo de comermos quando ela começa a pedir e precisamos recorrer ao iPod. Aliás, já prevendo algo desse tipo, eu enchi o iPod de novas apps e filmes. Por exemplo, ela anda fixada no filme "emperor's new groove". Já assistiu inúmeras vezes e sempre ri bastante. Assim ela relaxa e nos deixa terminar de comer. Mas pra nós isso é um dilema, pois não gostamos desse tipo de artifício. Mas como estamos de férias e fora da rotina, deixamos que coma o que quiser e que brinque do que quiser.

A tarde fomos novamente dar uma volta na praia. Nessa viagem ela não estava muito interessada na praia. Preferia as piscinas. Mas conseguimos convencê-la a descer. A praia do hotel, além de muitas pedras, tem uma grande lagoa formada pelos recifes. Lá tem passeios de caiaque e outras atividades. Também ficam alguns moradores locais pescando.

Praia do hotel Nannai: quase uma lagoa de água salgada

A Laura quis subir em um dos barcos. Eu até pensei em passear de caiaque com ela, mas fiquei preocupado em cuidar dela e ao mesmo tempo remar. Preferi não arriscar. De qualquer maneira ela nem pediu.

Sentada no caiaque

Depois, é claro, voltamos para a piscina. A Laura não enjoa!!!

Piscina e mais piscina

No café da tarde teve mais cereal ball, obviamente.

Mais cereal ball

E fomos dar uma volta. Como sempre, a Laura queria entrar no espaço de relaxamento. Acho que ela se interessa pela iluminação, que é bem suave, e pela decoração. Ficou encantada com a peça que fica sobre a mesa e disse que era "The Great Pie", a a grande torta do episódio "Samurai Pie", dos Backyardigans. Até fingiu que estava comendo.

Como diria o Mestre Pie Maker Tyrone: Pie-Ya!

Chegamos ao restaurante com ela correndo, pulando e dançando ao ritmo da música ao vivo, toda animada. Pedimos uma pizza de mussarela com champignon pra ela. Comeu, mas ao me ver comendo sashimis com o hashi, quis usar também para comer pizza :-) Eu já tinha imaginado que isso iria acontecer e peguei um extra. E não é que a danadinha conseguia enfiar o pauzinho na pizza e comer?

Tentando comer pizza com os hashi...

... e conseguindo!


De sobremesa ela se esbaldou na gelatina, que ela adora.

Jell-o

Mas ela só ficou tanto tempo na mesma devido à distração do iPod. Na verdade ela pediu para descer logo que começamos a comer. Daí eu saquei do iPod e lhe dei. Nessas horas, em geral, ela começa a ver um filme ou a jogar um joguinho e se perde no aparelho.



sábado, 23 de julho de 2011

Viagem a Porto de Galinhas - Terceiro dia


Ao acordar de manhã já saímos preparados com as roupas, toalhas e já tendo aplicado protetor solar. Isso porque, da primeira vez, foi bem difícil voltar pro quarto, pois a Laura já queria ir direto pra piscina.

Uma coisa interessante é que, até agora, a Laurinha só teve uma picadinha de pernilongo na mão. Nossa estratégia foi colocar dois inseticidas na tomada em cada lado do quarto, 24 horas por dia. Além de cobrir seu berço com filó. E está funcionando. Lembro que, da última viagem, ela tinha sofrido bastante com as picadas e não queríamos que se repetisse.



Comendo cereal (got milk?)

No café ela adorou uns cereais em bolinha com sabor chocolate. Não gostamos muito de dar isso pra ela, mas olhando mais tarde as informações nutricionais, percebemos que tem um pouco de fibras e várias vitaminas. Mas nada que se compare ao Nesfit, que é o que ela costuma comer. Misturamos um pouco de outro cereal que parecia mais saudável também, pra ver se ela comia, mas acabava procurando pelas bolinhas mesmo!

Dessa vez, logo depois do café, convencemos a Laura a ir pro Kids Club. Chegando lá ela brincou bastante. Tem uma sala de TV com brinquedos de pelúcia e outros de encaixar figuras, blocos etc. Ela gostou bastante e ainda assistiu aos Backyardigans. Depois foi pra fora brincar novamente.

Brincando na sala de TV do Kids Club

Adorou a casa da árvore com escorregador e uma casinha de bonecas com fogãozinho e pia. Toda hora entrava para "lavar as mãos" com areia!

Ficamos um bom tempo ali, até que se cansou e quis mamar. A regra é mamar somente no quarto e fomos pra lá. No caminho passamos por outro playground rústico, com brinquedos de tronco de árvore, bem interessante. Ela quis parar para andar no cavalinho e na gangorra. Mas logo reclamou de novo que queria mamar. A autonomia dela não é muito grande porque ela se lança nas brincadeiras sempre muito intensamente. Daí a energia vai toda embora.

Chegando no quarto e ela mamou e reclamou que estava com fome. Tínhamos guardado o cereal de bolinha e ela comeu bastante. Depois dormiu.

Dormindo antes do almoço


Aproveitamos para pedir o almoço (uns sanduíches com salada e, pra ela, arroz, feijão, cenoura e ovos cozidos). Chegou o serviço de quarto e ela acordou com o barulho. Dessa vez chegou tudo certo, exceto que eu tinha pedido mais arroz e não veio. Até que a Laura comeu bem.

Durante o almoço ela teve vontade de fazer cocô, desceu da cadeira e fez. Ficamos aliviados, pois ela ainda não tinha feito desde que chegamos ao hotel. Ainda nos preocupamos com isso por causa da constipação. Trocamos sua fralda e continuamos almoçando.

Pedimos pra recolher os pratos e saímos pra piscina. Ao voltarmos, uma hora e meia depois, ainda não teriam vindo retirar! O serviço realmente estava deixando a desejar, apesar de termos visto tantas resenhas positivas do hotel justamente ressaltando a qualidade do serviço.

A piscina estava meio fria e ventava muito. O tempo também estava nublado. Mas a Laura não estava nem aí. Entrou com a Junia e eu fiquei de fora, filmando e fotografando. O que foi uma ótima desculpa, pois detesto água fria!

Na piscina (que frio!)

Já a Laura curtiu bastante. O legal das piscinas é que ele pode ficar sozinha em várias partes, bem rasas. Daí ela se arrasta, anda de joelhos, senta, e brinca à vontade. Mas vira e mexe quer ir pra parte mais funda com a Junia.

Uma florzinha brincando com outra

De repente começou a cair uma chuva fina e fira. Tivemos que sair rapidamente da piscina. Obviamente a Laura não queria! Saiu chorando. Peguei um guarda chuva e fomos pro quarto.

Mais tarde fomos pro chá das cinco, que foi dentro do restaurante porque estava choviscando. Sempre levamos a Laura pra escolher o que quer comer e, dessa vez, escolheu o que chamou de "beautiful cake", uma torta de morango com a cara muito boa mesmo. Enfiava o dedinho na cobertura de chantili com calda de morango e punha na boca. Não era muito doce. Parecia hipnotizada e ficou ali até acabar a cobertura, no que pediu mais. A Junia lhe deu da sua e eu da minha. Comeu bastante. Depois não quis mais nada.

No restaurante

Saímos para dar um passeio, pois a Junia queria ver a loja de artesanato. Já a Laura tinha outras idéias. Primeiro, queria ir pra piscina às seis da tarde e já escuro e ventando frio. Depois quis ir para no Espaço de Yoga e ficou correndo de um lado pro outro, querendo subir e tocar em tudo. Tiramos seu sapato para poder subir nos sofás e cadeiras. Depois foi difícil calçar de novo, pois não queria. Só a convencemos quando ela quis descer as escadas até as esteiras de yoga e dissemos que, ali, só de sapato. A danadinha, curiosa pra ir lá, calçou rapidinho.

Família

Depois fomos até a tal loja de artesanato. Tinha bastante coisa, do jeito que a Junia gosta (e eu não!). A Laura estava frenética, falando "wow" a toda hora e querendo pegar em tudo. Eu disse a ela que podia tocar, de leve, mas não pegar. Ela acatou, mas queria tocar em tudo tudo! Foi até engraçado, pois não ficava mais que dois segundos examinando nada.

Saímos de lá e voltamos pro quarto. A Junia aproveitou pra tomar banho. Enquanto isso a Laura assistia às Princesas do Mar na Discovery Kids. Depois começou a reclamar: "i'm somhungry!" Abri um pacote de sequilhos e ela comeu quase tudo!

Demos um banho na Laura antes do Jantar e saímos. Levamos ela pra escolher sua comida e ela não queria nada. Até que tivemos a idéia de levá-la para a estação de massas, onde se interessou pelas pizzas. Pedimos uma sabor marguerita, que demorou a vir. Enquanto esperava, ficou querendo batucar no pratinho, fazendo muita algazarra, e eu expliquei que ninguém queria ouvir barulho ali. Disse pra batucar sobre o guardanapo, que não fazia barulho, e a danadinha ficava batucando nos lugares e me olhando pra ver se eu desaprovava.

Ela estava particularmente rebelde no restaurante essa noite, impaciente e não querendo comer. Talvez estivesse sentindo falta de casa ou algo assim. Por fim ela quis ver os músicos que estavam tocando ao vivo no restaurante e parece ter achado bem interessante. Depois disso fomos para o quarto prepará-la para dormir.