sexta-feira, 10 de junho de 2011

Livros, livros e mais livros!

Livros sempre foram um grande atrativo para a Laura desde bebezinho. Desde os primeiros livrinhos de pano, ou mesmo de borracha, daqueles de levar pro banho, até aqueles de páginas duras, os "board books". Hoje em dia é o segundo "brinquedo" que ela mais gosta. O primeiro é o iPod, que ela curte desde antes de fazer um ano de idade!

Laurinha com um dos livros

A maioria dos livros importamos da Amazon. No Brasil, compramos principalmente da Fnac. Tentamos achar alguns em inglês aqui no Brasil, mas é difícil. O pior de tudo são as traduções para o português de livros infantis em inglês. Achamos um de "primeiras palavras do bebê" em que apareciam coisas como "morcego" (bat) e "ônibus" (bus)!!! Quando é que "morcego" pode ser uma das primeiras palavras que o bebê vai articular? Já as curtíssimas "bus" e "bat", do original em inglês, aí sim são bem básicas, por serem monossilábicas, inclusive.

Quando os livros são em português e têm principalmente figuras, tratamos com como se fosse em inglês, descrevendo tudo nessa língua. A babá, obviamente, lê com a Laura em português mesmo. E a Laura responde bem à diferença. Às vezes estamos todos vendo um livro e ela o "explica" para nós em inglês e, em seguida, vira para a babá e faz o mesmo em português.

Livros no escritório...


... e mais livros no quarto da Laurinha


Uma vantagem de alguns livros educativos, principalmente os do Leslie Patricelli, que ela adora, é que podem ser instrumentos para ensinar a criança, de forma lúdica, a separar uma situação aceitável de outra não aceitável, como por exemplo, mostrando quando algo é muito barulhento ou é considerado nojento.

Hoje em dia temos dezenas de livros dela pela casa: em seu quarto, dentro de um cesto sobre sua cômoda, sob o criado e no escritório. E ela cuida muito bem deles. A maioria são board books (de páginas duras) e estão em perfeito estado, apesar de serem manipulados todos os dias. O único livro do qual ela rasgou uma página, quando tinha um ano de idade ou menos, foi um de páginas normais. Mas foi acidental, pois na época ela ainda não conseguia passar as páginas direito.

Cada época mudam os livrinhos que a Laura mais gosta e vou tentar fazer um apanhado das fases e apresentar alguns dos atuais também.


Os Primeiros Livros

Um dos primeiros livros com que teve contato, ainda bebezinho, foi o da joaninha (presente da nossa amiga Glenda), para utilizar no banho. Ele possui desenhos de vários animais, como o ratinho mostrado na figura abaixo. O vovô Noraldo também deu um para o banho, com vários tipos de barquinhos avulsos para encaixar nas páginas. E, claro, havia os livrinhos de pano, com chocalho, etc. Os do banho até hoje ela ainda pega de vez em quando. Na foto abaixo, "Minhas coisas", "Meus brinquedos", esses dois últimos tinham dedoches, que acabaram sendo destacados dos livros e viraram brinquedo.  Também "Au Au - Figuras do Bebê", "Insetos Ocupados" (com chocalhinho), e os livros de banho: "No meu banho eu vi", "Livro de banho - Nemo" e "Amiguinhos do banho - Joaninha".

Primeiros livrinhos, de quando ainda era um bebezinho

Um desses primeiros livrinhos é bem interessante e aparece aberto na imagem a seguir, o "Brincando e Aprendendo". Há vários livros diferentes desse, todos com o mesmo nome e algumas variações no conteúdo, mas a ideia é sempre a mesma. É de pano e possui várias atividades para a criança aprender, como fechar um botão, amarrar cadarço, fechar o zipper, etc. Com o tempo, iremos revisitá-lo, pois era e ainda é meio cedo para ensiná-la tudo isso. A única atividade do livrinho em que ela realmente se detinha era a de grudar e desgrudar as formas com velcro (círculo, quadrado, triângulo e retângulo). Ela sempre adorou as formas e, ao menos as básicas, conhecia desde muito cedo. Abaixo, os livros "Pocoyo brinca de esconde esconde", "Aprendendo Texturas: Animais Selvagens" e o "Brincando e Aprendendo".

Mais dos primeiros livrinhos

Para alguns, como os da foto a seguir, que têm animais escondidos nas páginas, ela nem liga mais. Mas adorava quando tinha por volta de um ano de idade, quando ficávamos brincando de adivinhar o que vinha e fazíamos barulhos dos animais que estavam escondidos. E ela decorava tudo! No imagem abaixo, "A boneca de pano Rose", "Bichinhos", "Oceano" e "Floresta", todos da Coleção Esconde Esconde, e "Olhe e toque - Animais Coloridos", este último com texturas imitando as penas ou o couro dos animais.

Livrinhos com animais escondidos. O maior é com texturas dos animais.

Treinando as Palavras

Nos primeiros meses de vida da Laura compramos também alguns já pensando no aprendizado da linguagem. Confesso que nos arrependemos um pouco desses livros em português, pois muitos são traduções literais do inglês, como eu citei anteriormente. Os das primeiras palavras do bebê são os piores.

Por exemplo, na foto abaixo, temos "Vapt Vupt - Bichinhos de Estimação", da Girassol, que parece uma tradução literal de uma versão em outra língua, e não uma adaptação para o português. Para se ter uma idéia, um dos animais mostrados no livrinho é um tal de "gerbo", de que nunca ouvimos falar. Outro igualmente problemático é o "Vapt Vupt - Primeiras Palavras", que traz "xícara" e "ônibus" como algumas das primeiras palavras que um bebezinho vai aprender a pronunciar, pode? Já o livro "Pequenos Passos - As Palavras - 18 a 24 meses" é para crianças de cerca de dois anos, que já falam alguma coisa. É muito bem organizado, com inúmeras fotos e os nomes dos objetos. A Laura, comilona que é, adora a parte dos alimentos! O "Cores", da Anne Geddes, traz aqueles lindos bebezinhos dentro de vasinhos de flores, cascas de nozes, etc. O incrível é que a Laurinha nem se fixa muito nos bebezinhos, mas sim nas cores dominantes em cada página, como é o objetivo do livro! O livrinho "Olá Bebê - As Primeiras Palavras do Bebê" cai mais ou menos na categoria dos dois primeiros que citei neste parágrafo, mas é bem melhor, pois pelo menos as palavras são mesmo do universo infantil, como "babador" e "brinquedo", e não "periquito" e "morcego", como naqueles dois livros.

Livrinhos sobre linguagem

Livros Interativos

Os livros interativos também tiveram seus momentos. Por exemplo, ela tem alguns de popup, que tocam músicas ou que possuem buracos, misturando figuras de uma página com os da outra, como os da foto a seguir, em que aparecem o "Músicas para um dia Feliz", da coleção Barney Musical,  "É hora de dormir, Nemo", da Disney, "Aí vêm os Backyardigans", da própria autora da série Janice Burgess, e "O que fazem os peixes?", da coleção Baby Einstein. São em geral bem fraquinhos como conteúdo infantil e têm traduções ruins e às vezes sem nenhum sentido. Mas chamam a atenção das crianças. De vez em quando a Laura ainda pega um deles para folhear rapidamente ou apertar botões, mas não são, nem de longe, os preferidos dela.

Livrinhos intereativos (popup, musicais, etc)

Era uma vez...

Outro conjunto de livros para os quais ela não liga muito hoje porque conheceu desde cedo é o mostrado na foto abaixo. Desses, o único que ela ainda nos chama para "ler" juntos com alguma frequência é o Galope, de Rufus Butler Seder, que tem animações "scanimation", em que os animais parecem caminhar na página. Mas ela não liga muito para a animação. Gosta mesmo é de "fingir" que está lendo, folheando e nos "contando" várias partes da historinha contada no livro. Às vezes ela somente aponta para um trecho do texto e pede para lermos. O livro é em português e a tradução é razoável. Na foto abaixo, "Um desafio com palavras", que tem rimas bem artificiais e só ganha nos detalhes das ilustrações grandes e em relevo; "A Dona Aranha e seus amiguinhos", outro contendo várias "nursery rhymes", mas que perde totalmente as origens na tradução, inclusive não sendo possível cantar as músicas nas respectivas melodias, pois as letras simplesmente não se encaixam; "A Tartaruga e a Lebre - Editora Girassol", cuja adaptação ficou muito boa e as ilustrações idem e a Laura já "leu" até não aguentar mais, até alguns meses atrás; "Pai, todos os animais soltam pum?", que é engraçadinho, mas acho que a Laurinha só vai achar graça mais tarde (para exemplificar, a única parte engraçada pra ela, devido ao barulho, era quando simulávamos a "explosão" de uma borboleta ao soltar pum); e, finalmente, "Galope!", de que já falei.

Livrinhos que ela costumava "ler" com mais frequência

Alguns livros de história ela gosta de sentar conosco para "ler" com frequência. Quando digo ler, entre parênteses, é que ela é que gosta de comandar: vai passando a página e apontando o que quer que lhe falemos. Não deixa que peguemos o livro e façamos a leitura de verdade. O bom disso é que ela rapidamente aprendeu a manusear os livros.

Do "Dumbo", da Disney, ela gosta bastante, mas costuma folhear tão rápido que quase não dá tempo de resumir a história pra ela :-) Vem com um CD, mas nunca o colocamos pra ela ouvir. Outro bem legal é o "Contos de Andersen, Grimm e Perrault com a Turma da Mônica", que traz alguns contos clássicos encenados com os personagens de Maurício de Souza. A Laura costumava curtir bastante há vários meses atrás, mas não tem se interessado muito. Os contos são meio longos para ela ainda e não dá pra ler mesmo. Ela ficava passando as páginas rapidamente enquanto tentávamos resumir as histórias pra ela! Foi o único livro que realmente rasgou uma página, pois não é board book.

Tem também um livrinho de canções populares brasileiras, o "Cante uma Canção", que até vem com CD. Ela costumava folheá-lo e só esperava que cantássemos um ou dois versos para ela e já pulava a página, querendo a próxima música. Possui canções como "Marcha Soldado", "Alecrim", etc. O "Contos que Encantam", da Disney, ela ganhou este ano de presente de aniversário e possui resumo e ilustrações de histórias da Disney como Toy Story, Aladdin, etc. E também compramos o "My Very First Mother Goose" no ano passado e ela mal olhou. Nosso objetivo era ter em mãos os clássicos das rimas infantis em inglês, como "Jack and Jill", "Humpty Dumpty" e "Hickory Dickory Dock", pois ela vai conhecê-los na escola e precisaremos conhecer as letras também, claro. Sobre isso, aliás, tem um canal no Youtube muito bom chamado "Mother Goose Club", que citamos no final de outro post.

Livros de historinhas, canções e rimas infantis

Hora de Dormir

Para leitura de antes de dormir, já tentamos introduzir histórias diferentes, mas ela não tem aceitado. Atualmente os livros que ela mais curte são os seguintes:

    The Birthday Box, de Leslie Patricelli, conta a história muito legal de um bebezinho que ganha um presente de aniversário e a própria caixa do presente, em sua visão, acaba sendo tão ou mais legal que o próprio presente. É um dos livros que deixamos no criado para ler antes da Laura dormir e que já lemos algumas vezes. Mas não é o preferido.


    The Very Busy Spider
    The Very Busy Spider, de Eric Carle. O que posso dizer sobre esse livro é que a Laurinha só quer saber de ouvir essa historinha antes de dormir há mais de seis meses!!! Dificilmente aceita outro livro. É a história de uma aranha, super ocupada, fazendo sua teia em uma cerca de fazenda. Os animais vão passando, convidando-a a desde comer grama até tirar uma soneca, e ela, sempre ocupada, nem responde. Ao final, já de noite e cansada, acaba dormindo.


    The Very Hungry Caterpillar, de Eric Carle, foi o primeiro livro de historinha de antes de dormir da Laura. Ela gostava bastante até conhecer o The Very Busy Spider. É a história de uma lagarta que come, come, come, até que faz um casulo e vira borboleta.




    Are You My Mother?, de P.D.Eastman. Também já utilizamos como livro de antes de dormir por algum tempo. É a história de um passarinho que cai do ninho e sai em busca de sua mãe. No caminho, encontra várias criaturas e vai perguntando, uma a uma, se é sua mamãe.





    Os Melhores dos Últimos Tempos

    Por fim, deixei para listar aqui os livros realmente preferidos dela atualmente. Diariamente ela pede que sentemos com ela para folhear juntos ao menos um desses.



    BIG little, de Leslie Patricelli, mostra pares de objetos que tenham algo em comum, comparando seus tamanhos. O personagem é um bebezinho que aparece nas situações utilizadas nas comparações. Por exemplo, em uma das páginas é comparada a cabeça do bebê (BIG) com seu dedão do pé (little). A Laura adora e vai passando página a página dizendo coisas como: "Heads are Big! Toes are Little!", pois já decorou cada situação. Pode ser comprado em conjunto com "No No Yes Yes" e "Yummy Yucky", citados abaixo, saindo bem mais baratos do que quando comprados separadamente.


    No No Yes Yes, de Leslie Patricelli, contrapõe ações que a criança não deveria executar, como cutucar o nariz, com outras que são as corretas, como assoar o nariz. Daí a Laura diz: "No no, don't touch your boogers! Blow your nose!".


    Yummy Yucky, de Leslie Patricelli, compara coisas de comer com coisas nojentas. Por exemplo, em uma das páginas é mostrado o bebê tomando sopa (yummy) e, na outra, o bebê comendo sabão (yucky)! A Laura vai "lendo" e nos olhando com cara de espanto com as situações absurdas. Neste exemplo, ela costuma dizer: "Soup is yummy! Soap is yucky!!!"


    Quiet Loud, de Leslie Patricelli, é outro que, além dela gostar muito, utilizamos como exemplo quando queremos que faça menos barulho. São várias situações comparando algo barulhento e algo mais silencioso, como o sapato de salto da mamãe (loud) e seus chinelos (quiet). Normalmente a Laura grita bem alto nas situações barulhentas, e sussurra nas situações mais quietas. Por exemplo, ela grita "Mommy's shoes are LOUD!!!" e, em seguida, sussurra, "mommy's slippers are quiet!". Muitas vezes, quando ela está fazendo barulho em algum local ou momento inapropriado, dizemos a ela para se lembrar do livro e ela normalmente nos atende.


    Baby Happy, Baby Sad, de Leslie Patricelli faz bastante sucesso com ela, que inclusive gosta de encenar algumas situações, fingindo estar feliz ou triste dependendo do que o livro mostra. Este também compara as situações opostas, como a do bebê feliz por ter ganhado um sorvete e, na página seguinte, triste porque o sorvete caiu no chão. A Laura costuma fazer cara de triste e dizer "Oh, baby, don't cry! It's ok!", quando aparece o bebê com cara de choro.


    Ficamos muito felizes em ver que ela gosta tanto de livros. E não foi nenhum esforço para ela, visto que sempre criamos oportunidades para ela "brincar" com livrinhos. Sendo assim, ela encara como pura diversão. Segundo sua professora, inclusive, o seu centro de aprendizagem predileto é o da biblioteca. Obviamente, não dá pra saber como vai ser quando não for mais diversão e sim trabalho, ou seja, quando começar pra valer com livros didáticos. Mas uma coisa é certa: o fato de ser um livro não vai intimidá-la, pois livros estão fazendo parte de seu dia a dia desde o nascimento.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário