terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Terceiro trimestre



01/12/2008 - Agora começamos o último round! Hoje buscamos o laudo do ultra-som: Laurinha está com 33 cm de altura e 997g de peso, crescimento e pesos compatíveis com a idade gestacional.

17/12/2008 -  Fizemos o ultra-som 4D! Só para ficarmos mais apaixonados pela Laurinha. Neste ultra-som não é feita nenhuma medida, é só para babação dos pais, mesmo. Ela ficou boa parte do exame com os pezinhos sobre o rosto. No início, estava dormindo e os pés cobriam quase todo o rosto. Depois de alguns cutucões do médico, ela foi despertando e revelando as bochechinhas... enquanto chupava os dedinhos dos pés, satisfeta da vida! Nós a vimos bocejar, beber líquido amniótico, colocar quase todos os dedos do pé na boca, chupar o dedão... Agora a gente fica se imaginando pegando estes pezinhos e estas bochechinhas fofas! Foi inesquecível!

22/12/2008 -  Consulta pré-natal e ultra-som gestacional. Nossa pequenina pesa agora cerca de 1,5 kg e está com 38 cm. É sempre uma felicidade saber que está tudo correndo bem com o desenvolvimento dela. Seu peso e tamanho estão certinhos na curva de crescimento para 30 semanas.  Segundo os livros, este, o 7o mês, é também aquele em que os movimentos dela estariam mais freqüentes e vigorosos e tem sido exatamente assim: a Laurinha está cada vez mais ativa. Fico curiosa pra saber o que ela está aprontando aqui dentro! No ultra-som às vezes vemos algumas demonstrações de chutinhos e remexidas ao vivo!

Comigo também tudo tranquilo. Nos exames, os nutrientes que tinham baixado, estão em recuperação, ainda que não haja nenhum em nível preocupante. Por precaução, visitei a nutricionista e reforcei a alimentação e suplementação para garantir que, daqui para frente, minha nutrição vai estar compatível com o que nossa menininha está exigindo... nesta fase em que ela está ganhando peso, é preciso ter atenção. Meu doppler continua com aquela alteração, a incisura, que, até agora, não teve nenhum significado. Como disse a Dra. Geovana, está aparecendo só como "alegoria" nos exames. Ela até comentou que, embora minha idade me coloque teoricamente numa faixa de risco, sou uma grávida tão saudável que isto nem tem sido relevante ;-)

31/12/2008 -  Estou entrando oficialmente no 8o mês!

08/01/2009 - Parece até que aconteceu alguma mágica na virada para o 8o mês! Não que não estivesse sentindo nada. A barriga já estava pesando,  o cansaço chegando mais fácil, dificuldade de achar posição para dormir...  Todas as coisas consideradas normais a esta altura da gravidez, com as quais eu vinha convivendo relativamente bem. Mas agora me sinto vivenciando o que várias amigas reclamaram a respeito do 8o e do 9o mês:  os desconfortos se intensificaram. É mais dor no quadril durante à noite, a barriga mais pesada, vontade de fazer xixi mais freqüente... e, de novidade, inchaço nos pés de vez em quando, principalmente quando faz calor.  

Não acho que a situação está das piores, mas agradável não é. Vamos ver como a coisa evolui nas próximas semanas. Mas tenho que confessar que um dos desconfortos eu vivo, em parte, com prazer: quando a Laurinha mexe tanto que fica mais difícil pegar no sono. Acho tão gostoso sentí-la! O problema é o day after...

26/01/2009 -  Sem grandes mudanças nos tipos de desconfortos.  Estão um pouco mais intensos, principalmente o cansaço. Mas, dormindo menos e a gravidez exigindo mais do corpo, está tudo dentro do esperado. Por incrível que pareça, não é o desconforto que está me deixando ansiosa pelo final da gravidez, mas a vontade louca de finalmente encontrar a Laurinha, nossa bonequinha.  No ultrassom de 33 semanas a vimos tão fofa e bochechudinha! É muito mágico... estou sempre com ela e, mesmo assim, sempre com saudades!... Quem vai entender?

Ainda tenho algumas preocupações em relação ao parto.  Espero que seja depois da 37a semana e normal. Mas, quem é que sabe? Há tantas variáveis! Neste último ultrassom mesmo fiquei preocupada com o ganho de peso da Laurinha. Embora esteja dentro da curva de crescimento normal, se continuar assim ela pode ficar muito grande para um parto normal.  Além disso, o volume do meu líquido amniótico, embora normal, está próximo do limite superior. Por precaução,  a Dra. Geovana resolveu investigar se não desenvolvi intolerância à glicose, embora ela ache que seja algo do meu metabolismo, mesmo. Pelo sim, pelo não, também por recomendação dela, diminuí o consumo de carboidrato. Vamos ver o que dizem os exames e o próximo ultrassom.

Quanto à "logística" para o parto, está tudo caminhando bem.  O hospital está escolhido, será o Santa Lúcia. Além de contar com uma ótima ginecologista/obstetra, adepta do parto humanizado, a Dra Geovana, agora conto também com uma ótima enfermeira.  A Cristina tem me dado consultoria sobre amamentação, cuidados com o bebê e vai me acompanhar durante todo trabalho de parto.  Ela também me orientou na definição de um plano de parto que já foi aprovado pela Dra. Geovana. 

O quarto da Laurinha já está prontinho. Já temos uma babá que está cuidando das coisinhas dela. As malas, minha e dela também estão prontas.  Agora aguardamos o dia D. Quem sabe até lá consigamos terminar de ler os livros que compramos...  ;-)

29/01/2009 - Tudo 100%! Fizemos ultrassom ontem e a Laurinha agora está ganhando peso numa taxa moderada.  A mocinha está com 2550g e 45 cm. Claro que estes parâmetros não evoluem de forma linear, mas se continuar neste ritmo, nossa bonequinha nascerá aproximadamente com 3200 g e 51 cm. Meu líquido amniótico, continua normal, mas baixou o volume, não está mais próximo do limite superior. No doppler, os fluxos para o bebê estão todos normais. Meus exames clínicos também não poderiam ter dado resultados melhores. Em particular, a glicemia está ainda mais baixa que no exame anterior, nem sinal de intolerância à glicose. A Dra. Geovana estava certa! Continuando assim, permanecem as chances de ter um parto normal!!

31/01/2009 - Contagem regressiva para a marca de 40 semanas! Hoje começa o último mês solar da minha gravidez!

06/02/2009 - Agora já estou na fase das consultas semanais. Esta última consulta aconteceu em um bom momento, pois foi um dia em que tive contrações de Braxton Hicks com uma frequência acima da esperada, durante a tarde. Mas não havia nenhum outro sinal de trabalho de parto: não senti dor ou outro desconforto. A Dra. Geovana também examinou o colo do útero para confirmar se não havia algum sinal de apagamento ou dilatação. Estava tudo normal. Ela apenas recomendou mais repouso no fim de semana e pediu exame de urina para verificar a possibilidade de uma infecção urinária, só por precaução. Ela é sempre tão cuidadosa!  Mas o episódio não se repetiu ontem e nem hoje, aparentemente foi fato isolado.

A última novidade é que a barriga começou a baixar. Mas, segundo a Dra. Geovana, a Laurinha só baixou um pouco, ainda não está encaixada.

17/02/2009 - Há cerca de uma semana, andava cismada com uma diminuição no padrão de movimentos da Laurinha. Embora ela estivesse se encaixando e uma diminuição de movimentos fosse esperada para esta fase, fiquei preocupada. Cheguei a ir ao pronto-socorro uma vez, para verificar se estava tudo bem.  O médico de plantão no Santa Lúcia não identificou nada, depois de verificar os batimentos e a reação da Laurinha ao estímulo sonoro (aquele teste da buzina) . Na minha consulta pré-natal, comentei meu receio com a Dra. Geovana, que achou prudente fazer uma cardiotocografia da Laurinha, embora também tenha achado tudo normal ao ascolta-la.

A cardiotocografia deu normal, mas fiquei desconfiada, pois o ritmo cardíaco da Laurinha só variou conforme esperado depois que eu tomei um lanche durante o exame e também após estímulo sonoro. Ela sempre foi muito ativa, não achei que nada disso fosse ser necessário.

Fiquei, então, ansiosa pelo ultrassom e doppler da 38a semana, no dia 17/02. Neste dia não me sentia bem, estava sem energia e sentindo contrações de braxton-hicks com frequencia. Cheguei a ligar para a dra. Geovana para dar uma passada no consultório.

Após o ultrassom, esta consulta se tornou obrigatória. Minha 'cisma' fez sentido: meu liquido amniótico estava próximo do limite inferior.  Sem nenhuma explicação, no período de 3 semanas o volume do líquido amniótico baixou de 16 para 7, sendo 5 o mínimo. Nesta situação, a Dra. Geovana recomendava o parto imediato. Ela avaliou a possibilidade de induzir o parto, mas ao examinar o colo do meu útero, ela identificou que não seria possível. Fiquei bem chateada, pois teria que fazer parto cesáreo, depois de ter passado toda a gravidez me preparando para  (e sonhando com ) um parto normal. Mas o bem-estar da Laurinha era mais importante do que qualquer coisa e saímos do consultório da Dra. Geovana, para o hospital Santa Lúcia.

Assim, com 38 semanas e 1 dia, dei à luz à nossa tão esperada princesinha! A surpresa maior foi que a nossa bonequinha estava com uma circular dupla de cordão umbilical na cintura! Coisa rara e que impossibilitaria o parto normal: se corresse tudo como esperado e eu entrasse em trabalho de parto, teria chegado a um ponto em que a Laurinha não iria sair por estar com as voltas de cordão umbilical. Desta forma, depois de todo o sofrimento meu e dela, teria que fazer uma cesariana... a gente nunca sabe quando um mal vem para o bem.  Neste caso a cesárea foi a melhor coisa que poderia ter acontecido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário