quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Evolução do vocabulário 2013

Como temos feito nos últimos anos, nesta época do ano usamos o testyourvocab para avaliar a evolução do vocabulário da família. Ano passado, nossos resultados foram:

Laura: 4.960
Eu: 14.200
Douglas: 17.700

Este ano:
Laura: 6220 (na minha avaliação. Para o Douglas chegou a 6830)
Eu: 12700
Douglas: 17.700

Teste do vocabulário da Laura by mommy

Como nos outros anos, a metodologia é a mesma: fazemos o teste algumas vezes e escolhemos o resultado mais representativo, já que às vezes a variação entre testes é grande. No caso da Laura, por enquanto, eu e o Douglas fazemos, considerando o que avaliamos que ela já conhece.

O crescimento do vocabulário da Laura não surpreende, afinal, está adquirindo a linguagem. Mas o que dizer do meu? Encolheu o vocabulário?! Mesmo a variação estando próxima da margem de erro, que é de 10% (então o resultado do ano passado estaria na verdade entre 12780 e 15620), esta variação não explica a expectativa de crescimento devido a nossa dedicação ao inglês. O resultado me pareceu muito destoante em relação as taxas de crescimento que havíamos experimentando anteriormente.

Levei esta dúvida para a equipe de suporte do testyourvocab, que me atendeu muito bem e analisou alguns dos meus testes. Um problema que eles identificaram foi que existiam palavras marcadas em 2012 que não marquei em 2013. Destas, somente uma eu conhecia e esqueci. As demais foram engano. Achei estranho que as tivesse marcado, afinal, não tenho nenhum motivo para "trapacear" no teste.

Mas o pessoal do testyourvocab me chamou a atenção para algo que não tinha me dado conta... Tirando a Laura que está adquirindo a linguagem e realmente terá taxas altas de crescimento no vocabulário por enquanto, é muito mais razoável que uma pessoa aprenda 500 palavras em inglês de um ano para o outro do que aprenda 5000, como foi o caso tanto meu quanto do Douglas de 2011 para 2012. Além disso, quanto mais você aprende, menores as chances de encontrar palavras novas, logo o vocabulário passa a crescer mais lentamente.

Resumindo, no meu caso o mais provável é que em 2012 meu vocabulário fosse menor e o teste ficou distorcido com meus "enganos". No caso do Douglas a falta de variação relevante ainda me deixa intrigada, já que o investimento dele em ingles é maior que o meu. Mas não podemos esquecer que a margem de erro é relativamente grande e o crescimento pode ter sido menor que a margem de erro (em torno de 1800 palavras para mais ou para menos no caso dele).

O resultado da Laura mantém a minha confiança no teste. No nosso caso, creio que quando o crescimento está dentro da margem de erro é mais difícil avaliar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário