quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Viagem de Natal

Fomos passar o Natal de 2010 em Minas, como costumamos fazer todo ano. Sem a babá, viajamos no dia 22 de dezembro. Não estávamos muito preocupados com as possibilidades de caos aéreo, visto que estávamos indo em um dia relativamente tranquilo, no meio da semana, e às 10h da manhã.

Tudo correu bem até o momento em que, já na sala de embarque, ficamos sabendo que o vôo estava atrasado! Acabou pousando às 12h e saindo às 12:30. A Laurinha estava super tranquila no início, mas à medida em que o tempo foi passando e o horário da soneca dela foi chegando, ela foi ficando cada vez mais difícil. Chorou e reclamou até que a hora da decolagem. Depois se acalmou um pouco, assistindo a seus filminhos favoritos no iPod Touch. Quando pousou, enquanto estávamos dentro do avião, também chorou. Também não podemos recriminá-la, pois dá mesmo vontade de chorar ter que ficar esperando até poder sair daquela lata de sardinha e pisar no chão!

Os avós paternos, Antônio e Letícia, vieram nos pegar no aeroporto Confins, para nos levar para Sete Lagoas. Costumamos ficar lá porque tem menos gente e mais espaço para a Laurinha brincar do que na casa da vovó Letícia, em BH. Ao chegar lá, almoçamos e a Laurinha adorou as panquecas da vovó Glória.

O calor foi intenso quase todos os dias em que ficamos lá. Quase insuportável de dormir à noite. Fora as picadas de pernilongo na Laura! Num dos dias, mesmo com repelente no quarto, ela acordou chorando de madrugada e, quando a mamãe foi ver, estava cheia de picadas de pernilongo pelas pernas e braços. E não conseguia voltar a dormir de tanta coceira! Ligamos para uma farmácia e pedimos algum creme pediátrico para aliviar a coceira. O farmcêutico recomendou Betacortazol, muito bom por sinal. E só assim ela ficou tranquila e voltou a dormir. A partir de então, passamos a aplicar repelente nela para afastar aquelas pragas.

Sabendo que a neta adora uma farra na água, o vovô Noraldo havia praparado uma ducha no quintal, para a Laura se refrescar. Com todo aquele calor, a Laura não pensou duas vezes: enfiou-se debaixo do chuveiro frio e adorou.


Também adorou o balanço que o vovô instalou, principalmente porque estava montado no teto da garagem, bem alto, e permitia uma amplitude de movimento bem grande. Cada vez que ela ia lá no alto, morria de rir e pedia mais :-)

Além disso, eu também tinha trazido o seu pula-pula  para deixar em Sete Lagoas, pois compramos um outro para pôr no lugar. O pula-pula velho é uma mala sem alça, bem pesadinho! Mas deu pra despachar no Avião sem problemas.


Outra coisa que a Laurinha adorou foi a iluminação de natal feita pelo vovô Noraldo. Toda hora que ela saía para ver, soltava um "que liiiiindo, vovó!". Claro, os avós se derretiam!

No dia 23, a Sione e o João Maurício deram uma passadinha para visitar a Laurinha. Não puderam ficar para o Natal, pois passariam com a família da Sione.


No dia 24, viajamos de carro a BH para visitar a casa da vovó Letícia. A Laurinha se divertiu bastante com os primos Gaby e Filipe. Almoçamos por lá também, mas era tanta novidade que a Laurinha não quis comer muito. Só queria saber de brincar com os primos. Conheceu a coleção de bonecas da Gaby, brincou de bolhas de sabão, de casinha e até de carrinho!


No dia 25 de dezembro, como é de costume, vovô Antônio e vovó Letícia vieram a Sete Lagoas com a tia Bia e os priminhos. E foi uma festa, com aquela meninada toda correndo pra lá e pra cá. A Bisa Madalena e o Seu Domingos também vieram, como de costume, para o almoço de Natal em família. Para variar, encheram a Laurinha de presentes :-) A Bisa, por exemplo, deu um teclado musical muito legal que ela adorou!





Fizemos também alguns passeios em Sete Lagoas. Levamos a Laurinha novamente na lagoa do centro da cidade e, claro, ela já queria pular dentro d'água. Infelizmente não deu para andar de pedalinho porque era Natal os passeios não estavam funcionando. Também fomos em um parque com alguns brinquedos, como pula-pula e piscina de bolinhas.


Nosso vôo de volta a Brasília foi dia 26/12. Vovô Antônio veio nos buscar para nos levar ao aeroporto de Confins. Dessa vez o vôo saiu na hora certa e a Laurinha ficou muito tranquila. Brincou e cantou dentro do avião e nem precisou do iPod para distração!

A viagem foi bem legal e a Laura se divertiu muito. Pena que os pernilongos não tiveram dó dela e voltou cheia de picadas! As cicatrizes costumam durar até alguns meses na pele dela! Da próxima vez, vamos usar o repelente infantil antes de aparecer a primeira picada!

4 comentários:

  1. Eu estava pensando em comprar um pula pula pro meu filho de 1 ano e meio.. e eu tinha ficado na dúvida qual o melhor. Esse pula pula da foto, vc gosta? O outro que vc comprou é igual ou melhor? Gostaria de uma dica de vcs, obrigada.

    ResponderExcluir
  2. Oi Nanda,

    Esse pula pula da foto é muito bom. Suporta um pouco mais de 50 Kg. Uma vantagem, no caso de crianças menores, é que é transparente: dá pra vigiá-las. A Laura o utilizou desde cerca de um ano. O material é bom, mas depois de 12 meses apresentou um pequeno orifício em uma das emendas. Mas um pedaço de fita adesiva já resolve. O mais difícil é achar o furo!

    O outro que compramos foi este: http://www.extra.com.br/brinquedos/inflaveis/pulapula/Pula-Pula-Inflavel-Intex-Castelo-Encantado-Bomba-de-Ar-Intex-Manual-Double-Quick-Grande-1000019476.html

    O material parece um pouco melhor e tem a vantagem de ser quadrado: cabe melhor no canto da sala, por exemplo. O outro ocupa mais espaço por ser circular.

    Os dois são bem seguros. Independente do tipo, não deixe de comprar junto uma bomba manual, de preferência não muito pequena. Tentamos uma elétrica e o barulho é ensurdecedor, deixando as crianças com medo. Tentamos também uma bomba manual pequena e demora muito pra inflar, além do que cansa demais.

    Um abraço!

    Douglas

    ResponderExcluir
  3. a minha filha tem um pula pula igual, a parte de baixo está furada e eu não estou conseguindo encontrar o furo,gostaria de saber como faz para encontar o furo que é muito dificil. desde já obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Oi suy,

    Você tem sobrinhos? Pergunto isso porque, quando este mesmo pula-pula furou, falei pros meus sobrinhos que quem encontrasse o furo ganharia R$ 10,00. Os danados encontraram rapidinho :-) Mas para achar, basta encher bastante o pula-pula e depois, com bastante silêncio, aproximar o ouvido e ir procurando o barulhinho do ar vazando. Foi assim que instruí meus sobrinhos e deu certo! Boa Sorte!

    ResponderExcluir