domingo, 22 de novembro de 2015

Irmãs


Durante a gravidez, criamos uma boa expectativa sobre a reação da Laura ao nascimento da Isabella. Ela ficou muito feliz quando soube que teria uma irmã e curtiu muito a barriga a gravidez inteira.
Mas tínhamos preocupações sobre como ela viveria a nova realidade de passar a compartilhar as coisas importantes de sua vida com a irmã.

Para nossa felicidade, a adaptação da Laura está sendo ótima. Superou nossas expectativas. Ela trata a Isabella com muito carinho. Sua frustração é que a irmã dorme muito mais e tolera muito menos interação do que ela gostaria.

Sorte. Pode ser apenas fruto da nossa boa sorte. Mas acredito que algumas variáveis nos favoreceram.

Amor. Algo que cultivamos com a Laura é a ideia de que o amor é infinito.  Sempre usamos este significado quando falamos do quanto a amamos. É algo que está presente nas nossas trocas de afeto. Com a gravidez, trabalhamos a ideia de que teríamos ainda mais amor na família.

Maturidade. A idade da Laura nos favorece. Com a diferença de 6 anos e meio, a lógica nos leva a pensar numa rivalidade muito menor, já que não estariam disputando os mesmos tipos de cuidados. A lógica, sim. Mas o que conta neste caso é a emoção. Ou inteligência emocional. Percebemos a Laura bastante segura do nosso vínculo com ela e acho que isso conta mais que a diferença de idade. Ando muito ausente do dia-a-dia da Laura e isso não tem abalado significativamente nossa relação. Estou sempre explicando que este nível de dedicação  à Isabella é temporário e que sinto falta de passar mais tempo com ela. E ela parece entender bem.



O pai. O Douglas e a Laura sempre foram muito próximos. Além de tudo, são grandes companheiros de brincadeiras! Com a gravidez os laços se estreitaram ainda mais, a medida que fui saindo de cena e o Douglas foi assumindo cada vez mais a rotina dela. Hoje ele cuida praticamente de tudo. Sinto-me quase desnecessária! Mas ainda sou eu quem cuida do cabelo dela :-)




Reciprocidade. A Isabella também está encantada com a Laura. Abre um sorriso sempre que a vê, ri de suas brincadeiras e não desgruda o olho quando a Laura está por perto. Uma graça!





Bebês. Laura ama bebês! Sempre vibra quando tem oportunidade de ter a companhia de um.  E tem sido assim com a Isabella!

Informação. Como de costume, busquei literatura pra nos ajudar a lidar com as novidades já durante a gravidez. Recomendo o maravilhoso Siblings Without Rivalry ("filhos sem rivalidade") e o ótimo Peaceful Parenting, Happy Siblings ("pais tranquilos, filhos felizes"). Ambos oferecem muita informação sobre como  estimular uma relação harmoniosa entre irmãos, entender e lidar com os conflitos na prática.

Até agora há uma única situação que às vezes acaba em lágrimas: a hora de dormir. Em nossa rotina com a Laura, eu sempre fiquei no quarto com ela, até ela adormecer. Agora eu nem sempre consigo. Se é um dia que ela está mais sensível, ou que tenho que sair do quarto antes que e ela adormeça, ela fica triste, às vezes chora. Mesmo assim, o mais frequente é ela fazer a rotina só com o pai, sem problemas.

Fico com o coração partido. Mas sei que é só uma questão de tempo voltar a estar mais disponível para a Laura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário